Corpos Outros

Porque somos todos pedaços alheios.

Téotro dia

 

A primeira ofereceu uma atenção bonita e cor-de-rosa, de quem oferecia-se ao sol. O segundo ofereceu companhia. Companhia completa. E foram felizes por 20 minutos. O terceiro ofereceu um sorriso gigante, eterno em poucos instantes. Mas a última… Bem, a última ofereceu mais que isso, nos tropeços de palavras, na certeza de meiguice: ‘foi um prazer. Bom, então… Então até algum dia. Quem sabe, quem sabe a gente ainda se encontra algum dia, em algum lugar’, disse oferecendo esperança. Uma esperança quase de um milagre, que enxergou uma chance no inteiramente improvável dos dias. Ela olhou profundamente aqueles olhos de menina-promessa-amiga-esperança e guardou aquele perfume. Depois foi embora. Mas não mais sozinha. Foi carregando esperança então, até algum dia.”

 

E agora, Maria?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Fluescência

Porque somos todos pedaços alheios.

Fierce People

Porque somos todos pedaços alheios.

Pensar Longe

Porque somos todos pedaços alheios.

palavrasespalhadas

Just another WordPress.com site

Aqui dentro de mim

Porque somos todos pedaços alheios.

Lembranças Inconscientes

Porque somos todos pedaços alheios.

%d blogueiros gostam disto: