Corpos Outros

Porque somos todos pedaços alheios.

Arquivos da Categoria: Charles Bukowski

Tempo lento que não vai

há um lugar no coração que nunca será preenchido
um espaço e mesmo nos melhores momentos
e nos melhores tempos
nós saberemos
nós saberemos mais que nunca
há um lugar no coração que nunca será preenchido
nem pela mesma pessoa novamente.
e nós iremos esperar e esperar
nesse lugar. 

esperar até que a semente vire árvore
até que se volte da longa viagem
até que prefira morrer a chorar novamente
até que não aguente mais soluçar
até que você abra os olhos e veja que esse lugar no coração
nunca será preenchido, ninguém é capaz.

e você vai esperar e esperar nesse lugar
encontrará pessoas, iludirá outros como sempre fez
mas não demorará para que percebas que a ilusão
sempre se fez presente na sua mediocridade vital.

há um lugar no coração que nunca, de maneira ou modo algum,
será preenchido. Ficando apenas
a ferida aberta, exposta para os insetos que te rodeiam.

Eu estou morrendo.
Mas não estou morto ainda.

Anúncios

Entre todo mundo, só um deles

O amor é uma espécie de preconceito.
A gente ama o que precisa,
ama o que faz sentir bem,
ama o que é conveniente.
Como pode dizer que ama uma pessoa
quando há dez mil outras no mundo que
você amaria mais se conhecesse?
Mas a gente nunca conhece.

Não era eu

Não era meu dia. Não era minha semana. Não era meu mês. Não era meu amor. Não era a porra da minha vida.

Um dia de Joplin, um dia de Tereza de Calcutá

 

“…sabia que tinha alguma coisa fora do lugar em mim. Eu era uma soma de todos os erros: bebia, era preguiçoso, não tinha um deus, idéias, ideais, nem me preocupava com política. Eu estava ancorado no nada, uma espécie de não-ser. E aceitava isso. Eu estava longe de ser uma pessoa interessante. Não queria ser uma pessoa interessante, dava muito trabalho. Eu queria mesmo um espaço sossegado e obscuro pra viver a minha solidão. Por outro lado, de porre, eu abria o berreiro, pirava, queria tudo e não conseguia nada. Um tipo de comportamento não se casava com o outro. Pouco me importava.”

 

Charles Bukowski

Título – Caio Fernando

Fluescência

Porque somos todos pedaços alheios.

Fierce People

Porque somos todos pedaços alheios.

Pensar Longe

Porque somos todos pedaços alheios.

palavrasespalhadas

Just another WordPress.com site

Aqui dentro de mim

Porque somos todos pedaços alheios.

Lembranças Inconscientes

Porque somos todos pedaços alheios.